– BALI –

A decisão do destino foi fácil, pois Bali combina cultura, natureza, alimentação e praia.

It’s a go!

Fomos o último avião a aterrar em Bali, pois o Mont Agung decidiu entrar em erupção meses depois de ter dado indícios de atividade. Bom, o mais importante é que já lá estávamos. E não tivemos nenhum efeito colateral, até foi positivo porque milhares de pessoas cancelaram e tivemos alguns templos só para nós. Foi único estar no Pura Lempuyang, conhecido como portas do céu, sem ninguém! Apenas eu, a minha amiga, e as galinhas que por lá passeiam. Memorável.

A viagem a Bali foi o início de uma viagem de consciencialização pessoal, foram duas semanas em que me permiti parar e desligar por completo. Os Balineses são ultra simpáticos, com um sorriso genuíno e despreocupado. Simples e com hábitos que me deixaram a pensar. O hinduísmo tem como premissa que qualquer ser pode ser adorado e, na verdade, cada um de nós tem a sua crença e referências, certo?

A alimentação Balinesa foi amor à primeira vista. Sei sempre que na Ásia não vou ter problemas em encontrar opções equilibradas, saborosas e nutritivas. Desde os típicos noodles aos vegetais.

Ainda hoje salivo quando penso na Pitaya Bowl do Mola Mola, na Nusa Lembonham. Para além da cor e frescura da bowl, comê-la sentada na praia acompanhada pelo sorriso da pequena Kiara, faz-me querer voltar novamente.

O Tempeh foi a principal descoberta da viagem. Comi, pela primeira vez, no Gado Gado (prato típico de Bali com noodles e vegetais) na Gili T. Desta vez estava salteado junto com os legumes e adorei desde logo. Leiam mais sobre o Tempeh.

Depois fui sempre testando em vários pratos, salteado, estufado, e sempre saboroso. Também comi Tempeh no Nasi Goreng (arroz frito com vegetais, carne ou marisco) e foi delicioso.

Na verdade, tivemos muitas refeições de sonho em Bali (desde as bowls, aos caris, às saladas, aos gado gado ou ao nasy goreng) e não consigo eleger a que gostei mais (pelo espaço, pelo sabor, pela novidade, pelas combinações). O que sei é que fiquei fã do Tempeh e, hoje em dia, consumo-o muito regularmente.

Em Portugal compro sempre o do Sal’s Tempeh, pois tenho a garantia que é produzido com soja não OGM e de origem biológica. Isto, para além de que todo o processo de fermentação é respeitado e feito de forma correta.

E vocês, que recordação gastronómica têm de Bali? 🙂

Últimos posts

Ebooks

Ebook Primavera

Ebook com informação detalhada sobre alimentação consciente na Primavera. Quais os alimentos, os métodos de confecção a privilegiar nesta estação do ano.
Ebooks

Ebook Outono

Ebook com informação detalhada sobre alimentação consciente no Outono. Quais os alimentos, os métodos de confecção a privilegiar nesta estação do ano.